Afinal, o que faz um psicanalista?

Um psicanalista escuta ativamente e aposta na interpretação das ações do inconsciente. Ele está disposto a localizar no discurso o que se repete, insiste e não cessa. Isso que é o singular de cada um.

Muitas pessoas têm dificuldade de entender o que faz um psicanalista, pois preconceitos sempre rondaram a sua figura e o mergulho em si mesmo é uma aventura que nem todos desejam.

Ser psicanalista é estar consciente do desafio que é ser humano e apostar no que é possível apesar de. Tornar-se consciente de si mesmo é uma construção que leva à superação de dores, traumas, medos e outros transtornos.

Por que fazer análise?

Ao olhar para dentro de si, surge a possibilidade de ser autor da própria história. No entanto, assumir essa responsabilidade não é tarefa fácil e existe uma tendência a culpar o outro e o mundo pelas suas dores e incapacidades. 

A psicanálise é para quem quer cuidar da saúde mental e ter mais clareza sobre si para fazer melhores escolhas na vida. É como tomar as rédeas do próprio destino e seguir a cavalgada com confiança.

Sempre há um por quê e um conforto em nossas próprias neuroses e sintomas, até que chega um momento em que o sofrimento que causam se torna maior. Aí pode surgir o desejo de consultar um psicanalista.

A análise desfaz nós para tecer novas teias

Somos seres complexos e únicos: cada um tem a sua história e a própria maneira de absorvê-la. Criamos um jeito singular de ver e de atuar na vida à partir das nossas experiências e relações.

Para a psicanálise é possível encontrar melhores formas de ser e estar no mundo, que tenham mais consonância com o que se deseja. Basta ter coragem de olhar para trás, entender a própria história e dissolver medos e bloqueios que já não servem mais.

O psicanalista é quem o conduz nessa aventura de desbravar o inconsciente. A vida, em si, está em constante transformação, assim como nós. Somos uma eterna construção de nós mesmos.

O que você faz com o seu desejo?

O desejo surge à partir do desejo do outro — antes, alguém deseja por nós. É o que nos direciona e que nos dá os primeiros sinais para onde dirigir nosso olhar.

Aos poucos, nos damos conta que não podemos satisfazer o outro por completo e nos deparamos com a nossa própria falta. Partimos em uma busca incessante por preenchê-la e construimos quem somos.

Muitos seguem tentando ser o que o outro (a quem ama) quer que eles sejam. Outros, se voltam para si e buscam encontrar o que de fato os fazem pulsar.

O desejo pede um mergulho para dentro. O desejo é o que nos move. É aquilo que a gente tem de mais nosso e ele não pode ser sufocado pelo medo.

Qual o seu medo? Você tem medo de ser feliz? Você tem medo de realizar o seu sonho? Você tem medo de ser quem você é? Comece prestando atenção aos seus medos, eles o levarão ao seu desejo.

Então, o que faz um psicanalista? Escuta, interpreta as manifestações do inconsciente e aposta no desejo como a saida para lidar com a própria falta.