NEGGING: a “técnica de sedução” que desqualifica a mulher

As pessoas são inseguras.

Umas mais, outras menos, mas todos temos nossos pontos de fraqueza.

Em uma relação amorosa, vale a pena entender como esses pontos são tratados. Isso leva a um ponto importante de reflexão: como identificar comportamentos abusivos?

Já faz algum tempo, que estamos desconstruindo o amor romântico e tudo o que ele representa em relação ao que seria o papel do homem e o da mulher.

Nós, mulheres, caminhamos em busca do nosso pleno direito de ser e de existir nesse mundo. Assim, desconstruímos também historias de contos de fada que nos contaram e acreditamos.

Quando nos relacionamos, esperamos do outro sim, muita coisa. No fundo, todos queremos ser amados. Quando duas pessoas — que são dois universos — se encontram e topam se relacionar, independente do formato — isso pode se tornar um relacionamento saudável e de crescimento para ambos. Ou não.

Ainda sim, mesmo nos relacionamentos que funcionam, os ruídos, os desentendimentos e as frustrações existem. O que quero dizer é que, são vários arranjos possíveis para uma relação amorosa e se relacionar não é nadar em um mar de rosas. Se é para dividir a vida com alguém, que seja cada um inteiro e um ajudando o outro a viver!

A coisa fica ruim quando desequilibra, quando um lado fica confortável e o outro não. Muitas vezes, é difícil identificar a origem do desconforto, principalmente quando há indícios de abusos psicológicos, que são mais difíceis de perceber, por não serem tão explícitos quanto a violência física ou verbal.

Negging: dupla mensagem confunde e desqualifica

Existem várias formas de se relacionar e isso vai depender da história de vida de cada um, de sua capacidade de amar e de ser amado.

Hoje, vou falar de uma “técnica” (!) de sedução masculina, chamada negging.

O negging é o nome dado a uma estranha forma de conquista que se dá cutucando e minando a autoestima feminina. Sim, isso existe e tem uns babacas por aí ensinando como fazer!

É considerado, por quem o pratica, como uma estratégia de sedução, mas é um ato de manipulação emocional. A pessoa faz um elogio deliberado e indireto para a outra para minar a sua confiança e aumentar a sua necessidade de aprovação. Uma dupla mensagem, um elogio seguido ou em forma de crítica depreciativa, que confunde quem o recebe.

Os negs defendem a ideia de que essa “tática” deve ser usada nas mulheres que eles consideram “arrogantes”, que sabem que são muito bonitas ou superiores a eles, intelectual ou financeiramente. Essas mulheres estariam acostumadas a serem bajuladas e precisam de um homem que não dê valor ao que elas pensam que têm de melhor.

O objetivo deles, amedrontados diante de tanto poder, é desqualificar a mulher, pois pensam que assim irão conquistá-la! Acreditam que serão vistos como “confiantes, poderosos, desapegados, ousados e sinceros”. Desqualificam a mulher, pensando que assim ela se sentirá insegura e agradecerá por esse precioso homem estar com ela!

Duplo vínculo

Na psicologia, existe o termo duplo vinculo para definir uma forma de comunicação paradoxal entre duas pessoas — mãe e filho, namorados, ou outros. Acontece quando as mensagens são conflitantes — na atitude a pessoa demonstra uma coisa, mas na fala, o oposto. Isso deixa quem recebe confuso e, muito provavelmente, inseguro.

Qualquer desconforto ao receber mensagens ambíguas do outro, é um sinal de alerta. Críticas depreciativas disfarçadas de elogios e tentativas de ditar regras sobre o outro são indícios de abuso psicológico, que podem evoluir para um relacionamento tóxico.

Uma forma de lidar com a própria insegurança desqualificando o outro

O negging, embora conhecido como uma “técnica” de sedução, pode acontecer em relacionamentos já estabelecidos. Isso porque a necessidade de diminuir suas parceiras, permanece nesses homens — a lógica é de que elas não devem se sentir bem consigo mesmas.

Seja como for, o negging é uma tática usada por homens inseguros que desejam atingir mulheres autoconfiantes. Sentem-se vulneráveis e querem diminuir a pessoa para ela ficar a sua altura. Isso pode ser uma insegurança passageira, mas também pode se tornar um ato perverso.

Nesse caso, ao se sentir amado o perverso desmerece as características do parceiro. A manipulação acontece de forma muitas vezes sutil, levando a mulher a uma dependência emocional. Da mesma forma, perceber que isso está acontecendo e se colocar barrando ou não aceitando essa situação, faz com que o neg perceba que ali essa estratégia não vai colar.

Insegurança masculina

“Muitos homens sentem que estão perdendo espaço entre as mulheres, percebem que cada vez mais as mulheres se dão conta de seu valor. Por serem inseguros em relação a eles próprios, optam pelo caminho de tentar levar as mulheres a serem dependentes do olhar deles. Narcisistas apelam para isso.”

Silvia Malamud, psicóloga e autora do livro Sequestradores de Almas — Ed. Lumen Juris

“Nós ainda temos uma educação em que o homem bom é o pegador que tem ereção e a mulher boa é a que acata o que ele faz e fala. Então, ele se sente ameaçado quando percebe que uma mulher não se encaixa nisso. O medo de não ser aceito no fim dos encontros gera um comportamento agressivo. Ele já faz a abordagem dessa maneira porque tem baixa tolerância à rejeição e falta de maturidade.”

Tatiana Leite, psicóloga especializada em sexualidade

A insegurança masculina tem muitas raízes culturais: o machismo é o responsável pela maioria dos comportamentos abusivos, que são uma tentativa de lidar com a própria insegurança, que o próprio machismo gera! É preciso quebrar esse ciclo.

A insegurança masculina não deve ser tratada dessa forma, existem muitos caminhos para lidar com ela e se sentir melhor consigo mesmo, sem que seja preciso maltratar o outro. Um deles é fazer análise, terapia. Olhar para si e se fortalecer, sem que para se sentir seguro precise desmerecer uma mulher.

E nós, mulheres, precisamos falar sobre isso para que possamos identificar comportamentos abusivos em suas primeiras manifestações e entender que não é preciso se sentir mal e desconfortável em um relacionamento amoroso.

Adriana Prosdocimi — psicóloga, psicanalista, ariana e aprendiz de escritora. Romântica incansável que gosta de ver a vida em todos os seus tons, do mais colorido ao negro absoluto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s