Falar da sua dor não gera like

Quase ninguém quer expor suas tristezas porque afinal de contas isso não dá ibope. Mas é a forma como vivenciamos nossas dores que nos dá pistas sobre a nossa verdade. Sim, a maneira como você sofre e o que te faz sofrer diz muito sobre você.

Ainda que seja uma tendência atual “patologizar” todas as formas de sofrimento, ou, dar nome a formas de expressão do nosso ser que não seja aquela idealizada nos moldes da perfeição, nem todo sofrimento pode ser definido como sintomas ou transformado em diagnósticos fechados e inexatos que reduzem a sua importância na saúde mental da pessoa.

Para a psicanálise, ao mesmo tempo que o sintoma é causa de sofrimento, ele é sempre uma solução. Tem a ver com a história de vida da pessoa ou da sua família. Por isso, ao contrário de outras abordagens psicológicas ou até mesmo da psiquiatria, a intenção não é suprimir o sintoma, mas lançar luz sobre ele para que possa deixar de ser tão necessário. 

O sintoma é estruturado pela linguagem, ao modo de uma metáfora — conversões, fobias, ideias obsessivas —  e só se completa na relação com o outro, na relação de fala. Em uma análise, ao falar, ao se queixar sobre isso que causa sofrimento, o sintoma vai sendo re-atualizado na relação com o analista, através da recordação e historização que fazem parte do processo analítico.

Na análise, você tem a possibilidade de compreender que a forma como se posiciona e atua na vida tem a ver com como lida com a sua dor — suas causas, mas também a que lhe serve. 

Podemos dizer que os efeitos de uma análise provocam uma reversão dos sintomas, que podem levar a uma mudança de posição subjetiva na vida. Ou seja, a pessoa passa a não precisar mais desse sintoma que é causa de sofrimento, e pode reconhecer o seu desejo de outra maneira.

Como você lida com a sua própria dor?

Publicado por Adriana Prosdocimi Psicanalista

Psicóloga e psicanalista. Atua especialmente com consultas online — uma forma de atendimento que rompe as barreiras da distância, facilitando o acesso ao psicólogo, inclusive para os brasileiros que vivem no exterior.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: